Bandagem Elástica Funcional

A Bandagem Elástica Funcional foi criada  pelo  Dr.  Kenso  Kase  em 1973, no Japão, onde recebeu o nome de Kineiotape.

O conceito desta técnica nasceu  a partir das crenças do autor em  relação à ajuda que os músculos e outros tecidos poderiam usufruir, com a aplicação um componente externo (tape – adesivo elástico  com  características  físicas  semelhantes  às da pele) com o objetivo de ser um tratamento entre as sessões de fisioterapia, e para isso ele desenvolveu a bandagem.

Primeiramente utilizado em clínicas de reabilitação tomou proporções internacionais devido a sua utilização nas Olimpíadas de 1988 em Seul, sendo introduzida nos EUA em 1995, e na década seguinte no Brasil.

Ganhou adesão entre os atletas que difundiram a técnica mundialmente, podendo ser utilizadas também fora do campo desportivo, segundo Kase (1997) tinha como objetivos:

  • Assistir a função normal (movimento) dos tecidos tendo em vista a diminuição da dor ou sensação de desconforto da pele e dos músculos;
  • Dar suporte aos músculos durante o movimento;
  • A eliminação da congestão da circulação dos fluidos orgânicos e hemorragias subcutâneas;
  • Compensação/correção de alguns desequilíbrios músculo-esqueléticos.

A bandagem promove estímulos sensoriais e mecânicos (elásticos) duradores e constantes na pele. Esta bandagem mantém a comunicação com os tecidos mais profundos através de mecano receptores encontrados na epiderme e derme. Estes receptores fornecem informações exclusivamente sobre eventos externos que afetam o nosso organismo e dão ao sistema articular elementar a habilidade para detectar estímulos aplicados à pele sobre pequenas áreas e grandes áreas e com duração curtas e contínuas.